Como o cérebro aprende uma segunda língua

Pesquisas com aves utilizando tecnologia sofisticada de imagens cerebrais fornecem alguns insights (visões) intrigantes sobre a melhor forma de atingir as metas de aprender uma segunda língua.

Assim como pássaros, os sons que produzidos são essenciais para um normal desenvolvimento vocal.”


Os sons e o feedback (input / output)

Estudos de desenvolvimento de canções em certas espécies de pássaros sugerem que o feedback auditivo pode ser um passo crucial na aprendizagem da linguagem.

Os passarinhos aprendem de seus pais uma única canção cedo na  vida. Esse processo de aprendizado depende da capacidade do jovem passarinho de ouvir não apenas as músicas do pai, mas também suas próprias tentativas de vocalizar a melodia.

Esta exigência de feedback auditivo em aves justifica o que foi visto em humanos. Crianças mais velhas que perdem a audição perdem gradualmente a capacidade de formar palavras adequadamente. Como Doupe e Brainard escreveram na edição de outubro de 2000 da revista Nature Neuroscience: “Essas descobertas fornecem evidências de que, tanto em humanos quanto em pássaros, os sons produzidos pelos próprios indivíduos são essenciais para o desenvolvimento vocal normal”.

Se o feedback auditivo é tão importante no desenvolvimento inicial da linguagem, é lógico que também seja necessário ao aprender uma segunda língua. De fato, alunos de segunda língua bem-sucedidos tendem a melhorar suas habilidades de comunicação ouvindo rádio no idioma que estão aprendendo, mas principalmente conversando com nativos da língua. Assim, parece que a combinação do input auditivo da segunda língua e o próprio trabalho do aluno para vocalizar essa linguagem output é fundamental para a aprendizagem.



Aprendizagem de línguas quando adultos 



Qualquer um que tenha tentado sabe que, quando entramos na idade adulta, parece ser mais difícil aprender uma segunda língua. Um estudo realizado por pesquisadores do Centro de Bases Neurais da Cognição, em Pittsburgh, mostrou que o input auditivo direcionado pode ajudar os adultos a aprender uma segunda língua com sucesso.

Jay McClelland, co-diretor do estudo de Pittsburgh, mostrou que algum tipo de plasticidade permanece até mesmo em cérebros adultos. Os resultados do estudo sugerem que, embora possa ser mais difícil aprender uma segunda língua quando adultos, as mesmas ferramentas que usamos para aprender inicialmente nossas línguas nativas também nos ajudam a adquirir uma segunda língua. 



Como o cérebro abre caminho para uma segunda língua

Estudos com ressonância magnética funcional também revelaram alguns padrões intrigantes na forma como nosso cérebro processa a primeira e segunda língua.

Estudos da Cornell University sugere que as línguas nativas e secundárias estão espacialmente separadas na área no cérebro em uma região do lobo frontal, responsável pelas partes motoras da linguagem - movimento da boca, língua e palato. Em contraste, as duas línguas mostram muito pouca separação na ativação da área posterior do lobo temporal, que é responsável pela compreensão da linguagem.

Os estudos sugerem que a dificuldade que os aprendizes adultos tem em uma segunda língua não é com a compreensão das palavras, mas com as habilidades motoras de formar as palavras com a boca e a língua. Isso pode explicar por que os alunos de uma segunda língua podem muitas vezes compreender uma pergunta feita na nova língua, mas nem sempre são capazes de formar uma resposta rápida.

Assim, para os alunos adultos de inglês, as técnicas que enfatizam a fala podem ter mais sucesso do que os métodos que se concentram mais em ler e ouvir. Por exemplo, em vez de ensinar sobre vocabulário e gramática, talvez se devesse encorajar a conversarem em inglês, ou a encenar esquetes curtos incorporando a aula do dia, o que ligaria mais estreitamente as habilidades dos alunos e fala a nova língua. Falar assim seria igual à compreensão.



Pesquisadores da UCLA relatam que as áreas de linguagem do cérebro parecem passar pelo período mais dinâmico de crescimento entre as idades de 6 e 13 anos. Em contraste com a ideia dos “três primeiros anos” de desenvolvimento infantil que recebeu tanta publicidade no nos últimos anos, o estudo sugere que os anos de ensino fundamental e médio são os tempos biologicamente mais vantajosos para a aquisição de uma segunda língua.

Esses vários estudos neurocientíficos nos dizem que o cérebro é uma entidade extraordinariamente plástica. Uma combinação de audição e vocalização parece ser o método biologicamente mais vantajoso de se adquirir uma segunda língua para adultos e crianças. 

Incorporar o que sabemos sobre o modo como o cérebro processa a linguagem na forma como as línguas são ensinadas beneficiará não só os estudantes que querem aprender inglês, mas também todos aqueles que desejam ampliar seu alcance linguístico.




Nota

Saber como o cérebro aprende uma segunda língua, ainda mais em pessoas adultas, é de meu grande interesse. Certamente pesquisarei e falarei mais a respeito deste interessante assunto.

Take Care Everybody



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Motivação, Comprometimento, Sistematização

Principais erros no aprendizado do inglês

Falar inglês e o Efeito Platô